terça-feira, 22 de setembro de 2009

Eostre ou Ostera

Eostre ou Ostera é a deusa da fertilidade e do renascimento na mitologia anglo-saxã, na mitologia nórdica e mitologia germânica. A primavera, lebres e ovos coloridos eram os símbolos da fertilidade e renovação a ela associados.

De seus cultos pagãos originou-se a Páscoa (Easter, em inglês e Ostern em alemão), que foi absorvida e misturada pelas comemorações judaico-cristãs. Os antigos povos nórdicos comemoravam o festival de Eostre no dia 30 de Março. Eostre ou Ostera (no alemão mais antigo) significa “a Deusa da Aurora”. É uma Deusa anglo-saxã, teutônica, da Primavera, da Ressurreição e do Renascimento. Ela deu nome ao Sabbat Pagão, que celebra o renascimento chamado de Ostara.

Posteriormente, a igreja católica acabou por associar sua Páscoa às festividades pagãs de Ostara e absorveu muitos de seus costumes, inclusive os ovos e coelhinho da Páscoa. Podemos perceber isso pelo próprio nome da Páscoa em inglês, Easter, muito semelhante a Eostre.

O nome Eostre ou Ostara, como também a Deusa é chamada, tem origem anglo-saxã provinda do advérbio ostar que expressa algo como “Sol nascente” ou “Sol que se eleva”, Muitos lugares na Alemanha foram consagrados a ela, como Austerkopp (um rio em Waldeck), Osterstube (uma caverna) e Astenburg.

Eostre era relacionada à aurora e posteriormente associada à luz crescente da Primavera, momento em que trazia alegria e bênçãos a Terra.

Por ser uma Deusa um tanto obscura, muito do que se sabia sobre ela acabou-se perdendo através dos tempos, e descrições, mitos e informaçõe sobre ela são escassos.

Seu nome e funções têm relação com a Deusa grega Eos, Deusa do Amanhecer na mitologia grega. Alguns historiadores dizem que ela é meramente uma das várias formas de Frigg *deusa indo-européia – esposa de Odin), ou que seu nome seria um epíteto para representar Frigg em seu aspecto jovem e primaveril. Outros pesquisadores a associam à Astarte (Deusa Fenícia) e Ishtar (deusa Babilônica), devido às similaridades em seus respectivos festivais da Primavera.

Lenda de Ostara escrita por Trio Cesarim ( Tribo de Gaia):

ostara 4

“Tempo de alegria, harmonia, primavera. É o rito de fertilidade que celebra o nascimento da Primavera e o despertar da vida na Terra. É a estação das flores, dos animais acasalando, a doce música dos ronronados, grunhidos, mugidos, trinados de pássaros, a delícia da continuação da vida. Houve um tempo em que contei para meus filhos que a Deusa andava na terra e ela se chamava Ostara e vivia cercada de animais. Nos faz lembrar muitas histórias de contos de princesas, mas só que essa se apaixonou pela Lua Cheia e partiu, deixando a tristeza no ar e nos animais. O que ficou mais sentido foi a lebre. Uma dor forte, de um tempo que não voltaria jamais! Com o tempo passando, ela foi observando os outros bichos, ouvindo o uivo dos lobos e pensou que, se todos eles tentassem juntos, quem sabe Ela também ouviria? Dito e feito: a jovem Ostara se comoveu com a lebre e logo entendeu o esforço e o amor por detrás daquela nova canção e união.

Naquela noite, Ostara decidiu retornar à Terra e, com sua chegada, o tempo esquentou, as cores voltaram e as flores brotaram. A deusa pegou a pequena lebre em seus braços, a colocou no colo e disse: “Obrigada pelo seu amor! O que você deseja como recompensa?”. A lebre, embevecida de amor e tonta com a beleza da donzela, respondeu: “Senhora, a única coisa que quero, é que da próxima vez seja mais fácil chamá-la de volta!”
Ostara pensou por um momento e depois concedeu à lebre o dom de se transformar em um pássaro mensageiro. Pois, quando fosse tempo de despertar de seu sono da Lua, a lebre mudada em pássaro a chamaria e teríamos a certeza de que ela sempre voltaria. E Ostara também acrescentou: “Pequena lebre – a você, que já é tão fértil, concedo, na forma de pássaro a guarda dos ovos sagrados que são a chave da continuidade da vida. Que você seja deles a guardiã e os distribua entre as pessoas quando necessário, mostrando a elas todas as possibilidades, que são meu poder e minha dádiva.”
E desse momento em diante, a lebre distribui os ovos de Ostara, como recompensa de amor e dedicação. Aquela primavera foi feliz e todos se alegraram sabendo que, mesmo que o inverno chegasse, um dia a lebre buscaria Ostara de volta”

Nenhum comentário:

Selo do Magia se faz na Cozinha

create your own banner at mybannermaker.com!
Copy this code to your website to display this banner!